Governo

Em 28/06/2017 | 10:48h

CNJ libera uso de WhatsApp para enviar intimações judiciais no Brasil e acelerar processos

CNJ libera uso de WhatsApp para enviar intimações judiciais no Brasil e acelerar processos


O Conselho Nacional de Justica (CNJ) autorizou a utilização do app WhatsApp para enviar intimações judiciais. A decisão foi tomada por unanimidade durante o julgamento que contestava a decisão da corregedoria do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO), que suspendeu a utilização do app no juizado Civil e Crminal da Comarca de Piracanjuba (GO).

O órgão compreendeu que a comunicação de atos processuais pelo WhatsApp começou em 2015 e rendeu ao juiz da comarca de Piracanjuba, Gabriel Consigliero Lessa, destaque no Prêmio Innovare daquele ano.

Além disso, a utilização de mensagens como maneira de desburocratizar e dar velocidade aos procedimentos judiciais foi regulamentado na comarca em conjunto com a Ordem dos Advogados do Brasil no município.

De acordo com o CNJ, o uso do programa é facultativo às partes que voluntariamente aderirem aos termos do uso. A norma estabelece ainda o uso da ferramenta somente para a realização de intimações e obriga a confirmação do recebimento da mensagem no mesmo dia do envio, ao contrário deverá ser feita presencialmente.

O magistrado justificou a prática da ferramenta tecnológica ao CNJ como prática para reforçar a atuação dos Juizados Especiais e como um aliado do Poder Judiciário, diminuindo despesas e evitando a morosidade no processo judicial.

A relatório do processo, Daldice Santana, afirmou que a prática reforça a atuação dos Juizados Especiais, orientados pelos orientados pelos critérios da oralidade, simplicidade e informalidade.

O CNJ, por sua vez, relatou que para proibir o uso do WhatsApp, a Corregedoria geral de Justiça de Goiás, havia justificado a diminuição da força de trabalho do tribunal, a falta de regulamentação legal para imprimir que um app controlado por empresa estrangeira, no caso o Facebook, seja usado como meio de atos judiciais.

A conselheira relatora observou que diferentemente do que foi alegado pelo tribunal, a regulamentação para o uso do app em Piracanjuba detalha toda a dinâmica para a realização das intimações.

Dessa forma, o magistrado estabeleceu regras e penalidades para o caso de descumprimento e “não extrapolou os limites regulamentares, pois apenas previu o uso de uma ferramenta de comunicação de atos processuais, entre tantas outras possíveis”.

(Da redação)

Comentários

Para comentar é preciso se identificar:
esqueci a senha | cadastre-se já!

Ainda não há comentários sobre este post.

Ou identifique-se abaixo, no Facebook.
 

Mais Lidas

Mercado 22/01/2013 17:40h

Microsoft pode investir US$3 bi para fechar capital da Dell

A Microsoft estuda investir entre US$1 a US$3 bilhões para o fechamento de capital da fabricante Dell, de acordo com o

Negócios 30/01/2013 15:24h

TIM e Itaú se unem para pagamentos móveis

A TIM informou nesta quarta (30) que está iniciando testes em parceria com o Banco Itaú para a implementação de uma

Telecom 16/01/2013 16:48h

Telefônica Vivo sofre instabilidade de telefonia móvel em SP, SC, PR e RS

A Telefônica Vivo comunicou através de uma nota nesta quarta (16) que o serviço de telefonia móvel da companhia pass

RSS Enviar por email Twitter Facebook

© 2013 Corpbusiness Ltda. Todos os direitos reservados
Agencia Pulse