Colunas

Roberto Icizuca | 25/08/2015 18:08h

Na corrida dos apps, Brasil está no caminho certo





Tags: –, conteúdo, usuários, Brasil, apps,

Mais da Coluna

*Por Roberto Icizuca

Em março de 2015, a Nintendo – outrora gigante insuperável dos games – anunciou que, em um ano, seus jogos estarão disponíveis para dispositivos móveis, como smartphones e tablets, a fim de alcançar centenas de milhares de novos usuários que hoje optam pelas plataformas mobile. A Netflix, atual imperatriz mundial da distribuição audiovisual, que começou como um serviço de locação de filmes em 1997, hoje é a mais popular ferramenta de streaming por assinatura do planeta – e seus apps para diferentes aparelhos como televisores, consoles de videogame, celulares e tablets são responsáveis diretos pelo sucesso no Brasil e no mundo.

Tal convergência – no sentido empregado pelo autor Henry Jenkins em seu livro mais famoso – demonstra que tanto usuários quanto empresas planejam, cada vez mais, unir acessibilidade e conteúdo em um único lugar – ou seja, possibilitar que qualquer pessoa viaje de um canto a outro do mundo (cultural, informacional, de entretenimento ou serviços) a partir de simples toques em uma telinha. Por aqui, como em outros países globalizados, não é diferente.

A sede da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016 está no top 5 mundial em quantidade de aplicativos – contando com apps que tanto se encaixam, majoritariamente, em jogos, quanto em outras categorias como educação, ferramentas, negócios, lifestyle e entretenimento. O diferencial, no nosso caso, é o vasto campo de criação e a verdadeira vocação em produzir conteúdo de qualidade.

Um exemplo da força dos aplicativos brasileiros, como os voltados às crianças, é o case da Galinha Pintadinha, que conta com milhares de downloads diários, inclusive em suas versões em inglês e espanhol. O app conseguiu se estabelecer no mercado por ser acessível a partir de um canal muito mais democrático – as App Stores – do que as mídias tradicionais (como a televisão) e pela força inquestionável do material base, que faz sucesso em todas as localidades em que foi distribuído.

A evolução dos canais de distribuição de conteúdo está intimamente ligada à ascensão tecnológica que presenciamos dia após dia. Transformar essa necessidade dos usuários em negócios rentáveis é mais que uma oportunidade, mas uma tendência natural para as empresas que almejam destaque nesse início de século. Por sorte – ou esperteza – o Brasil está fazendo a lição de casa.

*Roberto Icizuca é diretor de marketing e operações da Ø1 Digital, empresa pioneira da Internet no Brasil que oferece soluções de comunicação digital mobile.

Comentários

Para comentar é preciso se identificar:
esqueci a senha | cadastre-se já!

Ainda não há comentários sobre este post.

Ou identifique-se abaixo, no Facebook.
 
 

Mais Lidas

Mercado 22/01/2013 17:40h

Microsoft pode investir US$3 bi para fechar capital da Dell

A Microsoft estuda investir entre US$1 a US$3 bilhões para o fechamento de capital da fabricante Dell, de acordo com o

Negócios 30/01/2013 15:24h

TIM e Itaú se unem para pagamentos móveis

A TIM informou nesta quarta (30) que está iniciando testes em parceria com o Banco Itaú para a implementação de uma

Telecom 16/01/2013 16:48h

Telefônica Vivo sofre instabilidade de telefonia móvel em SP, SC, PR e RS

A Telefônica Vivo comunicou através de uma nota nesta quarta (16) que o serviço de telefonia móvel da companhia pass

RSS Enviar por email Twitter Facebook

© 2013 Corpbusiness Ltda. Todos os direitos reservados
Agencia Pulse